Airbnb cancela reservas em Washington D.C durante posse de Biden  


Washington Luiz, colaboração para a CNN Brasil  
13 de janeiro de 2021 às 18:30 | Atualizado 14 de janeiro de 2021 às 10:29

 

Para evitar que grupos de ódio interrompam a posse do democrata Joe Biden, a plataforma de aluguel Airbnb informou, nesta quarta-feira (13), que as reservas para Washington D.C durante a próxima semana estão canceladas.

Também não será permitida a contratação de novas hospedagens por meio do site no período. Biden assume a presidência dos Estados Unidos em 20 de janeiro.  

No comunicado, a empresa afirma que a decisão considera o apelo de autoridades locais, estatais e federais que, desde a invasão ao Capitólio no último dia 6 por apoiadores do presidente Donald Trump, pedem para que as pessoas não viagem à capital americana.  

“Estamos cientes de relatos que surgiram ontem à tarde sobre milícias armadas e grupos de ódio conhecidos que estão tentando viajar e interromper a posse”, diz a nota divulgada pela Airbnb.  

Os hóspedes que tiverem as reservas canceladas serão reembolsados integralmente. A plataforma também garantiu que vai reembolsar os anfitriões de acordo com o que eles teriam ganho com as reservas canceladas. 

Apoiadores de Trump saem do capitólio após invasão (06.jan.2021)
Apoiadores de Trump saem do capitólio após invasão (06.jan.2021)
Foto: CNN Brasil


 

Perfis banidos  

A Airbnb destacou ainda que trabalha para que membros de grupos de ódio não tenham perfis no site. Segundo a empresa, informações da mídia são usadas para captar os nomes das pessoas envolvidas na invasão à sede do Congresso americano.

“Por meio desse trabalho, identificamos vários indivíduos que estão associados a grupos de ódio conhecidos ou, de outra forma, envolvidos na atividade criminosa no Capitólio e que já foram banidos da plataforma Airbnb”, destaca.  

Invasão  

Na última quarta-feira (6), a sessão do Congresso americano, que certificaria a vitória de Biden, foi cancelada após manifestantes que apoiam o presidente Donald Trump invadirem o Capitólio.  

Eles se recusavam a aceitar a derrota de Trump nas urnas e chegaram a entrar em confronto com policiais que faziam a segurança do edifício.  

Pouco antes, havia Trump discursou para simpatizantes a poucos quarteirões da Casa Branca e voltou a afirmar, sem provas, que a eleição foi fraudada. "Nós nunca desistiremos, nunca concederemos", declarou. 

Impeachment

Em função do episódio no Capitólio, o Congresso dos EUA abriu um processo de impeachment contra Donald Trump. Ele é acusado de incitar a violência na invasão da Casa na semana passada. 

No início da noite desta quarta-feira (13), a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou o processo de impeachment.

Agora, o julgamento segue para o Senado, no qual são necessários dois terços dos votos para que Trump seja impedido.

Como o Senado está em recesso e Trump deixa o cargo no próximo dia 20, a definição não tem data para acontecer.

Bloqueio nas redes

Depois de seus perfis no Twitter, Facebook e Instagram bloqueados, Trump teve a conta que mantém no Youtube suspensa por pelo menos uma semana.

As empresas que gerenciam as redes afirmam que ele viola as políticas de uso, com afirmações falsas e discurso de ódio.