Parler fica fora do ar após Amazon, Apple e Google suspenderem rede social


Abinoan Santiago, colaboração para a CNN
11 de janeiro de 2021 às 11:47
Parler fica fora do ar após Amazon, Apple e Google suspenderem rede social
Parler foi suspenso por Amazon, Apple e Google
Foto: CNN 

A rede social Parler está fora do ar desde as primeiras horas desta segunda-feira (11) depois que a Apple e Amazon suspenderam o aplicativo de suas plataformas e seus serviços de hospedagem. A decisão dos provedores aconteceu um dia depois de o Google também ter tomado a mesma medida.

O Down For Everyone Or Just Me, site de rastreamento de internet, confirmou que o Parler encontrava-se fora do ar, o que sugere que a rede social ainda não conseguiu nenhuma outra hospedagem. “O Parler está fora do ar”, destaca a mensagem.

Leia também:
Melania Trump quebra silêncio, comenta ataque ao Capitólio e rebate críticas
Big techs bloqueiam Trump e acenam a Biden, que promete regular setor
Democratas planejam ação rápida por impeachment de Trump se 25ª Emenda falhar
Arnold Schwarzenegger compara invasão ao Capitólio com episódio nazista

A plataforma ganhou força recentemente, sobretudo, após a invasão ao Capitólio, nos Estados Unidos, se tornando popular entre os apoiadores de Donald Trump por não ter critérios para filtrar mensagens de conteúdo explícito de incentivo a violência e ao ódio.

O Parler se tornou uma alternativa após o banimento de Donald Trump no Twitter, sendo popular entre os apoiadores de presidente norte-americano, embora o político não seja um usuário da plataforma.

A Amazon informou ter tomado a medida semelhante aos demais gigantes de tecnologia após ter encontrado postagens de incentivo à violência.

A rede social está no ar desde 2018 e pode voltar à internet se encontrar um host alternativo, informou o CEO do Parler, John Matze, aos seguidores.

Em comunicado compartilhado pela imprensa norte-americana, Matze afirmou que "provavelmente ficaremos fora do ar por mais tempo do que o esperado", afetando os seus mais de 12 milhões de usuários, sendo oito milhões somente nos Estados Unidos.