Aprovação da OMS à vacina da Pfizer deve baratear o imunizante


Da CNN, em São Paulo
03 de janeiro de 2021 às 09:19 | Atualizado 03 de janeiro de 2021 às 09:34

 


 

A vacina da Pfizer / BioNtech se tornou a primeira no mundo a receber a autorização da Organização Mundial da Saúde (OMS) para uso emergencial. A autorização pode facilitar o acesso de países pobres ao imunizante.

A CNN conversou neste domingo (3), com o infectologista e diretor clínico do Grupo Fleury,  Celso Granato, sobre a importância desta liberação e como isso pode impactar os rumos da vacinação no Brasil e no mundo. 

Leia e assista também:

Veja o que fazer se tiver sintomas de Covid-19 após as festas de fim de ano

Atraso na vacinação aumenta riscos para retomada econômica no Brasil

Anvisa aprova importação de 2 milhões de doses de vacinas da Fiocruz

Segundo Granato, esta chancela da OMS pode acelerar o processo de liberação do imunizante pelas agências reguladoras dos países, inclusive no Brasil, pela Anvisa.

“Você sabe que a OMS constituiu um fundo de vacinas para países que desejassem participar, de forma que 10 a 20% da população desses países que contribuíssem para este fundo, pudessem ter acesso às vacinas. E o Brasil, inclusive, faz parte deste fundo”, explica

A vacina da Pfizer / BioNtech já está sendo aplicada em países como Estados Unidos, Inglaterra e na Europa de uma forma geral. Granato explica que a aprovação pela OMS permite que países que não têm dinheiro para comprar as doses, possam ter acesso a partir de agora.

“A OMS é um órgão que tem muita credibilidade. É um órgão que perpassa toda a política, então ele dando o seu aval, isso é uma medida importante para que os países possam usar a vacina”.

Destaques do CNN Business:

Ford Bronco e sedan do Homem de Ferro: carros que devem chegar ao Brasil em 2021

Vale, Ambev: 10 ações recomendadas por corretoras para investir em janeiro

 

(Publicado por Luiz Raatz)