Dias diz que disputa com Bolsonaro pesou em decisão de Doria, que nega

Em conversa com Wellington Dias (PT), do Piauí, governador de São Paulo teria explicado os motivos de ter antecipado a vacinação

Igor Gadelha
Por Igor Gadelha, CNN  
18 de janeiro de 2021 às 14:03 | Atualizado 18 de janeiro de 2021 às 15:56
O governador de São Paulo, João Doria, durante coletiva
O governador de São Paulo, João Doria, durante coletiva no Palácio dos Bandeirantes
Foto: Ronaldo Silva/Futura Press/Estadão Conteúdo (18.jan.2021)

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), disse que o governador João Doria (PSDB) reconheceu que a disputa política entre o tucano e o presidente Jair Bolsonaro o obrigou a antecipar o início da imunização no estado. No entanto, Doria nega que tenha falado qualquer coisa nesse sentido a Dias.

Alvo de críticas de colegas governadores por ter começado a vacinação em São Paulo neste domingo (17), antes dos demais estados, Doria ligou para Dias para tentar aparar arestas e pedir unidade no discurso. O petista é coordenador do tema de vacinas no Fórum dos Governadores.

“Ele falou que seria importante não passar a ideia de divergência. Também reconheceu que tinha uma disputa política entre ele e o presidente Jair Bolsonaro. Falei para ele que nós não estávamos nessa disputa”, relatou Dias à coluna.

Após a conversa, o governador do Piauí fez questão de destacar que os outros estados não cogitam entrar com ação contra São Paulo por ter iniciado a vacinação antes. “A decisão de prosseguir no Plano Nacional de Imunização supera esse episódio”, disse o petista.

Dias ressaltou ter dito a Doria que o único ponto de divergência entre os governadores e o tucano foi a data de início da vacinação. “Todos nós reconhecemos o papel importante de São Paulo que permitiu o início da vacinação no Brasil”, afirmou.

À CNN, Doria confirma que telefonou para Dias, mas nega que tenha assumido qualquer influência política no início da vacinação.