'Odeio a raça negra', diz mulher na Paraíba, libertada após fiança de R$ 350


Carolina Figueiredo e Henrique Andrade* Da CNN, em São Paulo
16 de outubro de 2020 às 20:37 | Atualizado 16 de outubro de 2020 às 21:28

Uma mulher foi indiciada por injúria racial em João Pessoa, na Paraíba, após proferir ofensas racistas contra pessoas em uma agência bancária do Banco do Brasil, na última quinta-feira (15).

No vídeo que circula pelas redes sociais, uma senhora de 50 anos aparece dizendo que "odeia negros" pois eles são "ladrões" e "bandidos". 

"Pode filmar. Eu, Luzia Sandra de Medeiros, solteira, sou a maior racista do planeta Terra. Odeio a raça negra, odeio, vocês são bandidos, ladrões", diz a mulher para os presentes na agência. 

De acordo com a 1ª Delegacia Seccional de Polícia Civil de João Pessoa, ela foi conduzida à central de flagrantes de João Pessoa, e um boletim de ocorrência foi registrado. A delegada plantonista declarou flagrante pelo crime de injúria racial, e a acusada foi liberada após pagar fiança de R$ 350. 

Leia e assista também

Casos recentes mostram que o esporte ainda não superou o racismo

Racismo estrutural nas línguas: o preconceito em expressões de uso corrente

Magazine Luiza reafirma trainee para negros após acusação de 'racismo reverso'

O inquérito policial foi encaminhado a uma delegacia especializada em combate a crimes de homofobia e racismo, segundo o delegado da 1ª seccional, Pedro Ivo, para que uma investigação mais apurada possa ser feita.

Segundo ele, já foram solicitadas as imagens do circuito de câmeras de segurança da agência bancária e também vídeos gravados por testemunhas para que a perícia seja realizada. 

racismo
Foto: Reprodução

A partir disso, o delegado poderá concluir a investigação e definir se o caso se trata de injúria racial ou de racismo, que é um crime inafiançável.

Segundo o delegado, um outro vídeo, gravado em um loja de departamentos, mostra a mesma mulher proferindo palavras racistas.

Esse segundo vídeo foi encaminhado à mesma delegacia especializada, para que, de acordo com o delegado, seja investigado, e as providências necessárias sejam tomadas.

Em nota, o Banco do Brasil disse que repudia o ocorrido e que valoriza a diversidade.

"O BB lamenta o ocorrido e repudia qualquer forma de preconceito. O Banco do Brasil valoriza a diversidade entre seus funcionários e clientes", afirmou a instituição financeira.

*Sob supervisão Evelyne Lorenzetti