Por que o aplicativo de mensagens Signal está em alta e o WhatsApp em baixa


Clare Duffy, da CNN Business, em Nova York
13 de janeiro de 2021 às 15:04
Signal App
Chamada de vídeo em aplicativo de mensagens Signal Foto: Divulgação/Signal

Nos últimos dias, usuários migraram aos milhões para o aplicativo de mensagens criptografadas Signal, levando-o ao primeiro lugar na lista de aplicativos gratuitos do Google Play e da Apple Store nesta semana.

O Signal teve cerca de 7,5 milhões de downloads da App Store e do Google Play no mundo entre quinta-feira (7) e domingo (10), mais de 43 vezes o número da semana anterior, de acordo com a empresa de inteligência de mercado Sensor Tower.

 Serviços de mensagens criptografadas como o Signal ganharam popularidade nos últimos anos, com pessoas cada vez mais preocupadas em proteger suas informações privadas. No entanto, esse aumento específico na popularidade do Signal surge na esteira da confusão sobre os novos termos de serviço do aplicativo de mensagens criptografadas do Facebook, o WhatsApp.

Na semana passada, o Signal também recebeu o apoio de vários dos maiores nomes do Vale do Silício, inclusive do CEO da Tesla, Elon Musk.

O aumento de novos downloads do Signal também aconteceu após os tumultos em Washington, DC, e as ações da Amazon, Apple e Google para cortar relações com o Parler, serviço de redes sociais favorito de muitos membros da extrema direita. O Telegram, outro aplicativo de mensagens criptografadas, disse na terça-feira (12) que atraiu 25 milhões de novos usuários de todo o mundo nas 72 horas anteriores, elevando sua base total de usuários ativos para 500 milhões.

O pico no tráfego do Signal causou algumas falhas. Na quinta-feira (7), o Signal tuitou que os códigos de verificação para novas inscrições podem atrasar “porque muitos usuários novos estão querendo fazer parte do Signal (mal podemos conter nosso entusiasmo)”. O problema foi resolvido no fim de semana.

“Atualmente, estamos tendo um nível recorde de downloads do aplicativo Signal em todo o mundo”, disse a equipe do Signal em um post no Reddit na sexta-feira (8).

E o WhatsApp?

O WhatsApp começou a notificar os usuários no mês passado sobre uma atualização em seus termos de serviço e política de privacidade, com os quais as pessoas devem concordar para continuar usando o aplicativo após 8 de fevereiro.

Muitos usuários expressaram preocupação sobre uma seção da política de privacidade do WhatsApp que detalha quais dados do usuário são coletados e compartilhados com a empresa controladora, o Facebook, que tem uma reputação problemática quando se trata de proteger dados dos usuários.

Todas as mensagens privadas entre indivíduos e a maioria das empresas no WhatsApp são protegidas por criptografia de ponta a ponta, o que significa que o aplicativo não pode vê-las ou compartilhá-las com o Facebook (os usuários serão notificados antes de conversar com uma empresa cujas mensagens não são criptografadas de ponta a ponta).

No entanto, o WhatsApp coleta outras informações do usuário, sobre quando e como alguém usa o aplicativo, e informações do dispositivo do usuário, como endereços de IP.

A política de privacidade do WhatsApp declara que as informações coletadas do usuário podem ser compartilhadas com outras empresas do Facebook “para ajudar a operar, fornecer, melhorar, compreender, personalizar, oferecer suporte e comercializar nossos serviços e suas ofertas”.

Contudo, essas práticas de compartilhamento de dados não são novas, de acordo com a empresa.

O que mudou? A política de privacidade do WhatsApp foi atualizada mundialmente pela última vez em 2016. Na época, ela oferecia aos usuários do WhatsApp a possibilidade de cancelar o compartilhamento de dados com o Facebook, opção que ficou disponível por pouco tempo. Nesta última atualização, a referência a essa opção de cancelamento foi removida.

A atualização mais significativa da política está relacionada aos usuários corporativos do WhatsApp. Ela revela que empresas que usam o WhatsApp para conversar com seus clientes podem optar por armazenar registros de suas conversas nos serviços de hospedagem do Facebook.

“A atualização não muda as práticas de compartilhamento de dados do WhatsApp com o Facebook e não afeta a forma como as pessoas se comunicam em particular com amigos ou familiares onde quer que estejam no mundo”, disse um porta-voz do WhatsApp em um comunicado, acrescentando que a empresa continua “profundamente comprometida com a proteção da privacidade das pessoas”.

Resumindo: nenhum dado a mais do que já era compartilhado em termos de dados dos usuários do WhatsApp será compartilhado com o Facebook depois do aceite dos novos termos. Quer dizer, a não ser que se tenha optado pelo cancelamento do compartilhamento em 2016.

O WhatsApp tem tentado dissipar a confusão sobre a atualização de suas políticas, inclusive com a publicação de uma sessão de perguntas frequentes (FAQ) sobre suas práticas de privacidade.

Por que o Signal?

Embora a política não seja nova, a discussão chamou a atenção para as práticas de compartilhamento de dados do WhatsApp com o Facebook, que muitas pessoas podem não ter lido antes de clicar em “concordar”. Isso pode estar motivando os usuários a abandonar o navio, com o Signal provando ser a alternativa mais popular.

O Signal é outro aplicativo gratuito que oferece mensagens criptografadas, chamadas de áudio e de vídeo. “Criptografado” significa que o conteúdo das mensagens é codificado até chegar ao destinatário, e nenhum intermediário pode visualizá-lo.

O aplicativo é administrado pela Signal Foundation, uma organização sem fins lucrativos, que foi lançada em 2018 com a ajuda do cofundador do WhatsApp, Brian Acton, que deixou o WhatsApp e o Facebook no ano anterior.

Acton disse em um comunicado em 2018, quando anunciou o lançamento da fundação, que o Signal tem como objetivo construir uma “tecnologia sustentável que respeite os usuários e não dependa da comoditização de dados pessoais”.

Em meio à onda de novas inscrições, o Signal está lançando novos recursos semelhantes aos do WhatsApp, como opções de papel de parede para conversas e uma seção “sobre” para perfis de usuário.

Além disso, uma nova política da Apple exigindo que os aplicativos forneçam um rótulo detalhando suas práticas de privacidade na App Store pode tornar mais fácil para os usuários compararem diversas políticas dos aplicativos de mensagens.

O Signal não respondeu imediatamente a pedidos de comentário sobre a onda de novas inscrições.

O aplicativo recebeu mensagens de apoio de alto nível. Elon Musk da Tesla (TSLA) tuitou no dia 7 de janeiro: “Usem o Signal”. O CEO do Twitter, Jack Dorsey, retuitou e, mais tarde, postou uma imagem do Signal no topo da tabela da App Store, com uma legenda com um coração.

O ex-técnico da NSA, Edward Snowden, também retuitou o post de Musk, acrescentando a mensagem: “Este é o @signalapp, para aqueles que não entenderam o Elon”.

Embora os tuítes não tenham mencionado o Facebook ou o WhatsApp, tanto Musk quanto Dorsey já haviam criticado o gigante das redes sociais.

Algumas pessoas aparentemente ficaram confusas com o conselho de Musk. As ações da Signal Advance (SIGL) (uma pequena empresa de tecnologia com sede no Texas, nada relacionada ao aplicativo de mensagens) subiram mais de 6.000% nos dias seguintes ao tuíte de Musk, antes de caírem na terça-feira (12).

O Signal, ou “sinal” em inglês, o aplicativo de mensagens, postou um tuíte ousado sobre a confusão, dizendo: “É isso que os analistas de ações querem dizer quando afirmam que o mercado está enviado Sinais mistos?”

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).